BOLETIM DA ATIVIDADE ECONÔMICA DE CERES – DEZEMBRO DE 2021


Ao longo de 2021 utilizamos quatro indicadores para acompanhar a evolução da economia da cidade de Ceres.


No boletim deste mês vamos apresentar um resumo do que constatamos ao longo do ano.


Com relação ao ISSQN, atingimos em outubro um total de R$ 662.765,11, sendo que no acumulado do ano o município arrecadou nos dez primeiros meses de 2021 um montante de R$ 6.356.613,15, quantia 35% superior à levantada no mesmo período do ano passado. Se considerarmos uma inflação de 10%, podemos afirmar que a arrecadação do referido imposto aumentou – de fato – 23%. Levando em conta que a base de cálculo do ISS está vinculada à atividade do setor de serviços, entendemos que a principal atividade econômica da cidade se recuperou do “tombo” que levou de 2020 e apresentou crescimento real. (Fonte dos números: TCM).


Com relação à geração de empregos, entre janeiro e outubro a cidade registrou 2.609 admissões e 2.175 demissões, ou seja, saldo positivo de 434 vagas de emprego. A título de comparação, no mesmo período no ano passado o saldo de geração de empregos era negativo em 25 vagas, ou seja, o desemprego estava em alta. Esse crescimento na oferta de emprego confirma a retomada da atividade econômica sugerida no parágrafo anterior. (Fonte dos números: CAGED).


A quantidade de empresas ativas na cidade de Ceres no dia 1º de dezembro de 2021 totalizava 2.710 empreendimentos. Quando começamos a acompanhar esse número em julho, o total de empresas ativas era de 2.548. Isso indica o surgimento de 162 novos negócios em apenas 5 meses. (Fonte dos números: Empresômetro).


Aqui é importante fazer duas observações: 1ª) O crescimento da oferta de emprego não está se traduzindo no crescimento da renda. O que tem ocorrido é que as novas oportunidades oferecidas pelo mercado estão surgindo com salários mais baixos; 2ª) O surgimento de novas empresas não é necessariamente um indicador de crescimento efetivo, a imensa maioria dessas empresas são microempreendimentos abertos por pessoas que perderam o emprego e optaram por abrir negócios próprios. Isso ajuda a ativar a economia no curto prazo, todavia, boa parte dessas empresas não sobrevivem aos primeiros anos de atividade.


Por fim, o consumo total de energia elétrica verificado em novembro no município de Ceres atingiu 3.653.873 kWh, sendo que no acumulado de 2021, este consumo atingiu 38.293.634 kWh, quantativo pouco superior a 1% do que foi registrado entre janeiro e novembro do ano passado. A relação existente entre o consumo de energia elétrica e o crescimento da economia é muito grande, e considerando o caso de Ceres, o crescimento registrado indica estagnação, ou seja, não aponta para crescimento efetivo do PIB. (Fonte dos números: CHESP).


Em resumo, podemos dizer que Ceres apenas recuperou o que perdeu no auge da pandemia. O cresimento percebido não é qualitativo, o que transforma a perspectiva para o futuro um tanto quanto reticente. Em outras palavras, tivemos uma recuperação em “V” que tende perigosamente para estagnação em 2022 por conta da contração da economia nacional.


Cabe aos gestores se organizar para o próximo ano. PLANEJAMENTO, MEUS CAROS! PLANEJAMENTO...

Econ. Alexandre B. Marques