BOLETIM DA ATIVIDADE ECONÔMICA DE CERES – MAIO DE 2021


EMPREGO


O mês de março registrou 170 novas contratações contra 155 demissões, o que resulta um saldo positivo com geração de 15 novas vagas de emprego na cidade de Ceres, apontando assim para um estoque 5.344 pessoas com ocupação registrada em carteira.


Se compararmos março de 2021 com março de 2020, percebemos uma situação bem mais confortável no atual exercício, tendo em vista o fato de que há um ano estávamos com um estoque de empregados 5,7% menor (5044 empregados) e a cidade havia fechado 59 postos de trabalho em um único mês.


Por outro lado, cabe alertar para o fato de que, desde de janeiro a diferença entre a quantidade de gente contrata e a quantidade de gente demitida na cidade, apesar de positiva (mais contratados do que demitidos), tem ficado cada vez menor, o que pode apontar para um momento de atrofia do mercado de trabalho local no curto prazo.


Além disso, março e abril foram os dois piores meses da segunda onda de COVID-19 em nossa cidade e o impacto da mesma pode ter afetado a economia local. Neste sentido, devemos acompanhar os dados do CAGED para o mês de abril para verificar se houve ou não piora na oferta de empregos em Ceres.


NOVAS EMPRESAS



Em abril foram abertas em Ceres 41 novas empresas, o que está perfeitamente dentro da normalidade. Essa quantidade de novos empreendimentos é, em sua imensa maioria, constituída de microempreendedores, no geral pessoas que foram desligadas de seus antigos empregos e usaram suas reservas para iniciar seu próprio negócio. O risco disso está no fato de que esses empreendimentos são criados de forma intuitiva, sem planejamento e sem análise de viabilidade, o que pode resulta em uma grande “mortalidade” de pequenos negócios no curto prazo.


No dia 09 de abril de 2021, segundo o EMPRESOMETRO, haviam em Ceres 2.861 CNPJ ativos, hoje (12/05) a mesma pesquisa indicou 2.454 CNPJ, considerando que foram abertas na cidade no último mês apenas 41 empresas, podemos deduzir que 448 empresas deixam de existir em nossa cidade no último mês. Provavelmente reflexo perverso da pandemia de COVID-19 em nosso país.


ENERGIA



Já foi demonstrado em artigos anteriores que existe uma enorme correlação entre o consumo de energia elétrica na cidade e o crescimento da economia local. Normalmente, um crescimento significativo do consumo aponta para um crescimento razoável da geração de riqueza.


Pois bem, quanto confrontamos o primeiro quadrimestre de 2021 com o primeiro quadrimestre de 2020, percebemos um crescimento muito tímido do consumo de energia elétrica em nossa cidade, o que é indício de que a economia de Ceres – provavelmente – não está crescendo ou está crescendo muito pouco. Isso faz sentido quando lembramos que o principal setor econômico da cidade é o setor de serviços e o comércio, justamente os dois setores mais afetados pela pandemia.


RESUMO DA ÓPERA


Os sinais de recuperação da economia de nossa cidade ainda carecem de consistência. Continuamos em um possível cenário de depressão econômica com possibilidade de melhoria apenas no médio prazo, dependendo dos rumos que a pandemia de COVID-19 tomar no decorrer dos próximos meses.



Econ. Alexandre Bouças Marques

alexandrebmeconomista@gmail.com

Econ. Alexandre B. Marques